Dieta LOW CARB ou NO CARB, tudo que você precisa saber!

Dieta LOW CARB ou NO CARB, tudo que você precisa saber!

Você pode estar pensando – como muita gente – que o carboidrato é o grande vilão do nosso cardápio. Seria ele mesmo o responsável por dificultar a perda daqueles quilinhos indesejados? Depende da quantidade e do tipo de carboidrato (refinado e muito prejudicial). O fato é que muita gente começou a aderir a dieta Low Carb. Essa dieta baseia-se no princípio básico da nutrição em que o excesso de insulina (hormônio que leva a entrada de glicose para dentro da célula do nosso corpo) favorece o ganho de peso.

O carboidrato quando consumido, faz com que ocorra liberação desse hormônio e quando consumido em excesso fará picos de insulina, levando a transformação da glicose, em excesso, circulante ser transformada em gordura, favorecendo o ganho de peso. Desta forma, quanto menos carboidratos ingeridos, menor liberação da substância e, com isso, menos acúmulo de gordura no corpo. Porém, não podemos esquecer que precisamos de carboidrato para viver, produzir energia e realizar nossas atividades diárias.

Diferenças entre Low Carb e No Carb

Sendo assim, a dieta Low Carb baseia-se em consumo de carboidratos complexos vindo de vegetais, raízes e de frutas com baixo índice glicêmico e de fontes de gordura boa e proteína para ajudar na produção de energia do corpo como também no funcionamento do metabolismo; e NÃO como está sendo realizado atualmente pela maioria dos adeptos, com o consumo de gordura ilimitado e proteína e sem o consumo de nenhum carboidrato, nem vindo dos vegetais e frutas.

Em primeiro lugar, é preciso saber que esse tipo de dieta é uma estratégia que nós nutricionistas podemos adotar perante uma reeducação alimentar. Sendo assim, deve ser acompanhada e utilizada de forma individualiza para avaliar se seus resultados esperados estão ocorrendo de forma a não irá trazer prejuízos a saúde, como está ocorrendo nos adeptos de NO Carb.

A melhor dieta é a reeducação alimentar

Entre o grande público que se aventurou nessa cilada de No Carb, abandonaram fácil a dieta nos primeiros dias, pois apresentaram dificuldade de raciocínio de concentração, dores de cabeça, alteração de humor e ou, quando pararam com o processo após atingirem o peso almejado, engordaram novamente, uma vez que não existia uma reeducação alimentar, que deve ser feito juntamente a essa estratégia.

Como dito, na maioria dos casos, verifica-se também que, em razão do corte e da restrição agressiva dos carboidratos, a fissura alimentar ocorre muito pior com momento de compulsão alimentar durante o processo como uma forma de compensação da restrição errada realizada durante um período do dia.

O resultado nesse tipo de dieta é sempre semelhante: intestino preso, dores de cabeça, tontura, fraqueza e desidratação ocasionada pela redução irregular do carboidrato em nosso organismo.

Menos energia e mais efeitos colaterais

Desde pequeno, aprendemos que a disciplina e a responsabilidade na hora de nos alimentarmos são elementos determinantes para que tenhamos uma vida feliz e saudável. E se você ainda não se contenta em fazer pouco errado, além de aderir a essa dieta No Carb, você também é daquelas que aumentam o consumo de gordura vindo de embutidos como presuntos, mortadela, bacon de péssima qualidade , linguiça, carne de boi com muita gordura, alimentos industrializados gordurosos.

Se for o seu caso, preciso complementar esse tipo de fonte de gordura que privilegia a proteína animal de qualidade ruim é extremamente ácida, aumentando a acidez do seu sangue e gerando alguns problemas como exemplo a osteoporose. E acredite, isso é só o início de uma série de problemas que você poderá adquirir ao longo da dieta.

Com isso, a dieta deve basear em gorduras boas vindas de azeites, castanhas, amêndoas, nozes, coco, abacate, carne de mais fácil digestão com peixes, frango e até carne vermelha (forma individualizada) e que não é necessária a exclusão do carboidrato e sim a redução de forma calculada e orientada pelo profissional nutricionista e como dito seus resultados devem ser acompanhados para avaliar se essa estratégia e efetiva para você.

Bom senso no lugar da restrição

O problema da perda de peso seria muito melhor solucionado se todas as pessoas tomassem uma atitude simples e que pode deixar mais barato suas compras: consumir apenas a quantidade de carboidratos que o corpo necessita. Simples, não é mesmo. E existem ótimas fontes de carboidratos para isso, como o arroz integral, raízes como batata doce, mandioca, inhame, legumes e frutas. Lembre-se: não existe mágica, e sim disciplina e responsabilidade com os dois maiores bens que você pode ter: o seu organismo e a sua saúde.

Sobre Fernanda Mululo

Nutricionista clínica pós-graduada em nutrição funcional e fitoterapia. Atua no atendimento exclusivo e individualizado a pacientes com diversas necessidades e objetivos. Desde de sua formação trabalha com mulheres portadoras de endometriose e em pré e pós operatório de cirurgias diversas. Nutricionista Staff do Hospital Universitário Pedro (HUPE/UERJ) na área materno infantil, trabalha também em parceria com clínica de estética e com equipe de gastroenterologista no tratamento de pacientes com Doença Inflamatória Intestinal. Dedica total atenção aos pacientes, permitindo a troca de experiências para o avanço no tratamento ou na mudança do estilo de vida.
CRN 11100927 www.fernandamululo.com.br

Compartilhe !

Comentários

  1. Gabriel says:

    Excelente, conteúdo extremamente relevante. Valeu Fernanda!!! 👏👏👏👏👏👏